TECH-LADIES: Ser uma Tech Girl em Portugal

A partir de hoje, o Tech-Portugal passa a ter uma rubrica chamada “Tech-Ladies” que será escrita por mulheres e tem o intuito de desmistificar a questão da informática e tecnologia, para as utilizadoras do sexo feminino.

Por Golden Heart Cat para p Tech-Portugal

TECH-LADIES

Enganam-se os que pensam que o mundo digital da informática, programação, tecnologia, é só dos homens.
A verdade, é que até em Portugal nascem e crescem cada vez mais, comunidades e grupos de mulheres que estão de alguma forma ligadas a estas áreas. Umas desenvolvem actividades profissionalmente, outras consideram-se humildemente, apenas entusiastas/amadoras deste complexo mundo. Dão-se a conhecer, sobretudo com o pensamento positivo de que mulheres independentes e inovadoras motivam outras mulheres. Motivação de assumirem e trabalharam para a sua paixão e arregaçarem ‘mãos à obra’.

Aqui estão algumas das suas histórias:

– Girls Lean in

Este projecto consiste na organização de meetups de mulheres empresárias e empreendedoras. Organizadas mensalmente, estas meetups, vão sendo realizadas em várias cidades do país, Braga, Lisboa, Porto, Faro, Viana do Castelo e Vila do Conde; e contam com a presença de oradoras que partilham a sua história de sucesso e coragem de arriscar e inovar, neste mundo tão feito por homens e para homens.

Mulheres poderoras, empreendedoras e inovadoras, têm aqui a oportunidade de motivar e influenciar positivamente, mulheres mais jovens que começam a dar os primeiros passos.

Estas meetings criam, e expandem muitas vezes, as redes de contactos entre as várias mulheres e pessoas a assistir. São convidados normalmente 30 pessoas, homens e mulheres, são ouvidos os testemunhos das respectivas oradoras de cada meetup, segue-se uma discussão aberta sobre um ou outro tópico mais relevante.

Catarina Sousa e Catarina Campos, fundadoras do projecto, afirmam que se inspira, no livro da norte americana Sheryl Sandberg, que ocupa um cargo de chefia no facebook, chamado Lean In, e que tal como a autora, desejam tornar o mundo melhor e mais igualitário.

O porquê destas meetups?

O mundo da tecnologia e informática é apaixonante e desafiante em todas as suas vertentes. E estes sentimentos são transversais quer a homens quer a mulheres. Com mas ou sem mas, a realidade é que as mulheres ainda ocupam um pequeníssimo lugar nestas áreas e por isso, justificam as fundadoras que “é muito importante lembrar às jovens mulheres que há um lugar para elas no mundo da tecnologia, e aprender programação pode ser uma excelente mais-valia para o futuro. (…) É fundamental que mais mulheres se interessem por negócios e por desenvolver software.”

– Portugal Girl Geek Dinners

O grupo Girl Geek Dinners criado originalmente por Sarah Lamb em Londres, que se dizia cansada de ser a única mulher em eventos de tecnologia. Começou informalmente por juntar mulheres ao mundo da inovação e tecnologia. Estes eventos, organizados localmente, que já se espalharam por 23 países (incluindo Portugal), juntam oradores de ambos os sexos, mas o público a assistir é maioritariamente feminino. Literalmente é um jantar informal de geeks (cromos), ao qual os homens só poderão assistir, se convidados por uma das mulheres a estar presente. Segue-se uma apresentação por alguém com um conhecimento profundo e uma paixão sobre uma temática escolhida.

Em Portugal

Foi Vânia Gonçalves quem trouxe este conceito para Portugal, depois de ter contacto com um grupo similar na Bélgica. Os eventos desenrolam-se em Braga, Porto, Coimbra, Leiria e Lisboa, e juntam mulheres de várias áreas técnicas, assim como estudantes.

De acordo com a fundadora portuguesa, a ideia é muito simples: “ num cenário relaxado e informal, nós pretendemos dar às mulheres a oportunidade de se conhecerem e ouvirem umas às outras e falarem acerca de um tópico específico, ou mesmo de coisas de mulheres. Sempre que possível, estes eventos são acompanhados de comida e bebida e pequenas lembranças, quando providenciadas por um patrocinador.” Mais uma vez, Vânia refere a importante regra base destes grupos, “homens são bem-vindos, mas eles têm que ser convidados por uma mulher a assistir ao evento.”

Baseado em: Wikipedia e Portugal Startups