Startups – Construir uma ou procurar emprego?

Os números falam por si. Ter ideias nem sempre é caminho certo para o sucesso.  Apenas 10% das startups vão avante. Mas, se é o seu caso, e está a começar a desenvolver uma startup, você tem que ter a certeza que estará nestes 10%.

Criar uma startup, não é só uma forma de se obter satisfação de se criar algo de novo desde o início, mas também uma forma de se perceber o nosso próprio potencial.

Construir startup vs. procurar emprego

Mas, quando se abandona um emprego em busca de algo melhor, ou quando infelizmente nos deparamos com uma situação de desemprego, a primeira coisa que fazemos é procurar outro emprego.

Porque é arriscado!

É arriscado e os tempos de hoje não permitem grandes riscos:

  • As startup falham. Se dissermos que vamos começar uma startup, a maioria das pessoas vão dizer que 90% delas falham.
  • Se trabalhamos numa empresa prestigiada, sentimo-nos intimidados socialmente (pelos nossos pares e entidade patronal) a deixar o nosso emprego por um cenário tão incerto.

Mas estas razões são terríveis para não começarmos a criar e a desenvolver as nossas ideias.

Startup Competition

Quem não arrisca…

Porque se existem pelo menos 10% de probabilidade de sucesso, devia ser a este número que nos devíamos focar, acreditando e trabalhando, para que sejamos parte deste.

Além disso, porque interessa a aprovação social? Porquê, deixar as opiniões dos outros ditarem a nossa vida e carreira?

E muitas vezes, sim, temos um bom trabalho, com boas regalias, etc.; mas já não nos entusiasma. Se queremos mesmo construir uma startup, porquê investir tempo a fazer outra coisa qualquer?

Colaborador em empresa comum vs. Fundador de uma Startup

Em contraste com o trabalho numa empresa, sendo fundador de uma startup, teremos:

  • Trabalho super desafiante. Uma startup traz algo novo que não existia antes, assim aprendizagem contínua é algo que podemos esperar.
  • Um profundo sentimento de “dever cumprido”.
  • Muita responsabilidade. Responsabilidade pelo trabalho, pela equipa, investidores e clientes.
  • A oportunidade de fazer algo com significado. O problema escolhido para se trabalhar, terá certamente um grande significado para nós.
  • Envolvimento no processo de decisão. Basicamente, somos responsáveis primários pelas decisões, quer a um nível mais micro ou macro, do que a startup deve fazer.
  • Sentido de importância, de activo valioso para a organização. Como fundador, você será o centro da startup e o único que sabe exactamente como funciona.

Contudo, fundar uma startup não é para toda a gente. Muitas pessoas irão ler este artigo e perder qualquer motivação por parecer tão difícil.  Mas se está a ler isto, e não consegue imaginar-se a trabalhar num sitio que não lhe parece real, está à espera de quê? Lembre-se, 10%!

Fonte das imagens