Open source: Licenças de software

Open Source Software

No mundo da informática, mais propriamente no que toca a software, existem sempre licenças associadas, sejam elas de software proprietário ou abertas (open source). No artigo de hoje vamos fazer uma introdução sobre as licenças de software open source.

Quando compramos software temos de ter em conta três aspectos:

  • Quem tem a propriedade intelectual do software;
  • Para quem vai o dinheiro se for software pago;
  • Licenciamento. O que podemos fazer com o software;

Normalmente a propriedade intelectual do software nunca se altera, apenas a licença é permissiva ao ponto de deixar os utilizador o utilizar, mediante ou não de um pagamento.

Por exemplo, o Windows da Microsoft, é um software proprietário com destino ao mercado do qual a Microsoft tem direitos sobre a sua propriedade intelectual. Quando o instalamos é-nos mostrado uma licença (EULA) que temos de concordar, caso contrario não é instalado o software. Essa licença protege os direitos da Microsoft, obrigando-nos a concordar que não fazemos engenharia reversa ao produto, não fazemos cópias do software, o produto não irá ser instalado em mais do que uma máquina, etc.

Em Linux as licenças mudam. Quando Linus Trovalds criou o kernel, licenciou-o com base na licença GNU Public  Licence version 2. Esta licença diz, entre outras coisas, que o software por ela protegida tem de estar disponível para quem o queira e que qualquer pessoa pode alterar. Um senão é que se queremos alterar o código e distribuir, este tem de ser licenciado com a licença original. Além disso, também é especificado que não podemos cobrar pelo software.

Existem dois grandes grupos no mundo open source. O Free Software Foundation (FSF)Open Source Initiative(OSI).

O FSF refere-se à liberdade de ver, estudar e partilhar o código fonte. A FSF partilha da filosofia copyleft, em que as modificações feitas a software livre, devem também elas ser distribuídas gratuitamente. Foi esta entidade que desenvolveu as licenças GPL (v1,v2, v3) LGPL. As versões Lesser General public Licence apenas têm uma diferença em relação às GPL, que é a possibilidade de redistribui código que contenha ligações a código proprietário.

A OSI acredita que não só o código deve ser livre, como também deveria ser permitido fazer o que o programador quisesse com ele. A OSI não tem licenças, mas tem especificações para software open source. Uma licença que se rege pelas especificações da OSI são as licenças BSD que são muito mais simples que as GPL. Estas licenças não contêm copyleft, sendo mais permissivas. As licenças do MIT são parecidas com as BSD.

Tem alguma dúvida sobre softwares ou licenças open source? Deixe a sua opinião nos comentários!

Fonte das imagens