Vida de um programador

Após alguns artigos relacionados com programação, vamos dar a conhecer ao leitor um pouco do dia-a-dia de um programador de software. Engane-se o leitor se pensa que é uma vida aborrecida, imaginar alguém sentado diante de um computador horas e horas a fio sem nunca mudar de cenário não é tão chato quanto parece, mas será que é uma vida igual à de milhares de trabalhadores pelo mundo fora?

O café

É habitual dizer-se que os programadores transformam o café que bebem em código! Começar o dia com um bom café para despertar os sentidos não parece algo fora do comum para ninguém, à excepção de que quando o dia acaba, muitos já têm perto de 5 ou 6 cafés bebidos e este talvez seja um número reduzido de cafés para um dia de trabalho.

analogia

A solidão

Acordar para tomar o café é uma boa rotina Passar um dia sem dormir para produzir código, passar o dia fechado em casa, apenas com a aba de uma rede social aberta para ir conversando com os colegas, torna-se um hábito destas pessoas que passam um dia inteiro fechadas em casa e muitas das vezes sem olharem para outro ser vivo durante o dia inteiro!

Erros e dor de cabeça

Sem dúvida que programar, por vezes, torna-se uma dor de cabeça! Até o mais experiente dos programadores passa por certas situações que são de arrepiar. Imagine o leitor o que é escrever centenas ou milhares de linhas de código e quando for realizar um teste final em tudo que fez, aparece um erro que não sabe bem de onde vem. Passo a explicar por palavras fáceis. O leitor escreveu um livro e quer publicar esse livro, mas a editora não deixa, pois diz-lhe que tem um erro que não permite a publicação. Por vezes, essa editora diz-lhe a “linha” ou local do erro em que este se encontra, mas noutras situações simplesmente não identificam o local. Se quer mesmo ver o livro publicado, reveja todo o texto escrito e imagine só que por vezes um erro pode ser de uma virgula apenas…

hongkiat

Nervos e horas perdidas

Por norma, há quem diga que os programadores são gente antipática, que não pratica desportos, meios corcundas e facilmente irritativas. Destas todas, talvez a parte de serem facilmente irritados seja verdade, mas apenas quando algo não corre como o esperado! Programar horas a fio é tão comum como tentar resolver um erro “absurdo” e que leva dias! Estão fartos de olhar para aquele código, saber que algo está errado, muitas vezes estar a olhar para o erro mas não conseguir vê-lo, é mesmo irritante. Alterar, voltar a compilar e o erro persiste.

Mas que erro do demónio!

Talvez seja uma frase muito comum nos demais programadores e afinal o erro é mesmo a falta de uma pequena letra, ponto e virgula, qualquer coisa que por mais absurdo que seja, esteja em falta ou mais. E assim se “perde” um dia de trabalho e muitos nervos, a tentar resolver erros…

O que ninguém sabe de nós!

Tal como dito acima, pensam muito que os programadores são pessoas esquisitas. Pois bem, muitos mantêm mesmo uma vida no seu dia-a-dia bastante saudável. Era comum imaginar-se estas pessoas de chinelos e meias, com óculos fundo de garrafa, com o seu típico estilo nerd. Pois essa é uma tendência que tem vindo a terminar. Praticantes de desporto, amantes do mesmo, conseguem ter mesmo família e ter tempo para ela. E aqui talvez venha a parte engraçada de ser programador e que nos torne a vida mais animada que qualquer outra!

Trabalhar a partir de casa, se um dia por alguma razão não tivermos possibilidade de ir ao local de trabalho é uma das grandes vantagens. O trabalho nunca fica pendente!

Passatempos, caso estejamos aborrecidos, porque não abrir uma aba e dar uma vista de olhos numa comédia no youtube para animar, ler noticias, outra coisa qualquer.

Não dá de manhã, dará à noite. É certo que muitas empresas não permitem aos trabalhadores um horário flexível, porém existem empresas que apenas necessitam dos resultados e caso estes sejam apresentados o horário não é nada de outro mundo. É claro que nem em todo o lado haverá estas regalias.

 programar, a arte

Qual a sua opinião em relação à programação e os programadores?

Fonte das imagens