Facebook, WhatsApp e Instagram estiveram em baixo: O que se passou?

As redes detidas por Mark Zuckerberg estão com problemas. As redes sociais garantem que não se trata de um ataque DDoS como inicialmente se pensava. Mas a verdade é que toda a vez que tentávamos entrar numa delas, de vez em quando lá aparecia a mensagem de erro.

Facebook, WhatsApp e Instagram estiveram em baixo: O que se passou?

O Facebook e o Instagram estão em baixo para quem se quer ligar às redes sociais e sem atualizações no feed há horas para quem está conetado. Também o serviço de mensagens WhatsApp está com problemas, mas, desta feita, ao nível de carregamento de imagens e áudios.

Em Portugal, os problemas manifestaram-se pouco depois das 16 horas, mas as dificuldades estão a ser sentidas em todo o mundo.

No Twitter, o Facebook assumiu o problema, que assegurou estar a resolver, garantindo, ainda, que não se trata de um ataque DDoS, ou seja, um ataque de negação de serviço, na tradução literal, que impede o normal funcionamento da rede.

Para quem tenta logar-se no Facebook surge, agora, a mensagem de que o serviço está em “manutenção obrigatória” e que, por isso, vai estar em baixo “algumas horas”.

“O Facebook vai voltar em breve. Neste momento, o Facebook está indisponível para manutenção obrigatória, mas deves poder voltar dentro de algumas horas. Entretanto, lê mais sobre o motivo desta mensagem. Obrigado pela tua paciência enquanto melhoramos o site”, consta na mensagem.

O Facebook explica, ainda, que, quando os utilizadores recebem a mensagem de que “O Facebook regressa em breve”, “normalmente”, isto significa que estão “a melhorar a base de dados”, processo em que, assegura, as contas não serão afetadas.

Mas fica a questão, será que realmente não foi um ataque mas sim uma “simples” manutenção?

É que se foi só manutenção é estranho ser nas 3 redes sociais ao mesmo tempo e bloquearem todas ao mesmo tempo.

Fonte: [TVI24]

You May Also Like

Programador: as realidades de um dia normal

Facebook: 23 páginas encerradas

Governo avalia riscos do 5G para a cibersegurança nacional

DyNaVoiceR: Dar voz a quem não tem

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies