Nónio: Quais os riscos para os utilizadores?

No final de 2016 a Google – Digital News Initiative (DNI) disponibilizou 900.000€ para o projecto Nónio.

Em que consiste o Nónio?

Esta plataforma pretende formar um consórcio entre os maiores operadores portugueses na área dos media. Para tal haverá um login único que possibilita o acesso aos artigos, que passarão a estar bloqueados, de todas as empresas que participem no projeto.

Quais as empresas que fazem parte do projecto?

Entre as empresas aderentes estão a Cofina, Global Media, Grupo Renascença Multimédia, Impresa, Media Capital, Público ou Observador. Juntos formam mais de 80% da audiência nacional de Internet.

Qual o motivo da criação do Nónio?

A ideia é reforçar a presença dos media nacionais tentando contrariar o domínio das grandes plataformas como a Google ou Facebook no que diz respeito à publicidade segmentada por perfis de utilizadores.

O principal problema que o Nónio pretende resolver prende-se com o facto dos publicitários procurarem atingir as audiências da forma mais segmentada possível.

Atualmente tal não é possível por falta de dados sobre os hábitos de navegação dos leitores. Algo que o Facebook e Google são especialistas em recolher.

Deste modo tem-se assistido a uma redução sistemática de “monetização” da publicidade digital em favor destes grandes players.

Quais são as implicações do uso do Nónio para os utilizadores?

E é aqui que começam os problemas para os utilizadores. Para os media oferecerem conteúdo e publicidade personalizada, vão fazer um rastreamento idêntico ao que já é efectuado nessas grandes plataformas.

Todas as empresas participantes no Nónio vão trocar informações entre si, acumular todo o seu histórico de navegação, saber que tipo de informação procura, qual ignora, de onde acede, quando acede, através de que dispositivo entre muitos outros dados privados.

Este acervo ficará disponível a qualquer dos sites participantes. A título de exemplo, isto quer dizer que os seus hábitos de leitura no Observador vão ser partilhados com o Público, e com todos os outros media que integrem a Nónio.

Através desta “persona” os media vão começar a endereçar-lhe publicidade segmentada. Não se admire se, por algum motivo, começar a ler artigos até muito tarde receber publicidade a sugerir que, ou está de férias, ou com insónias. Até o seu padrão de sono pode ser interpretado consoante a sua utilização da Internet.

Outro dos problemas deste sistema denomina-se de “filtros-bolha”. Sendo que o objetivo é manter os leitores o maior tempo possível nos seus websites, muito do conteúdo que lhe vai ser endereçado segue os seus hábitos de leitura acumulados.

Como tal, tendencialmente, vai-lhe ser apresentada informação que apenas valida o seu ponto de vista e ignora todos os artigos ou peças informativas que divergem dos seus hábitos de navegação. Se raramente navega por noticias de tecnologia, provavelmente, artigos como este nunca lhe serão apresentados.

Nesta fase o Nónio ainda está em período de transição, mas a curto prazo o objetivo é obrigar ao login para leitura dos conteúdos. Só para clarificar. O conteúdo ficará fechado e vai ter de se registar para ler.

O registo para já é simples, pois esta plataforma depende da tração inicial para poder ser implementada de forma obrigatória.

Deste modo termina o período de transição e obrigam todos os que queiram ler a registarem-se para aceder aos artigos.

O que pode fazer para se proteger?

De forma a proteger o seu anonimato enquanto navega, uma das formas mais eficazes é utilizar uma extensão como o ublock-origin para Firefox ou Chrome.

Em resumo, a ideia principal deste artigo é simples. Esteja consciente que ao registar-se no Nónio está a pagar a leitura dos conteúdos com os seus dados e informações privadas.

Artigo escrito por Dinis Monteiro do Teamlyzer para o Tech em Português