KuantoKusta investe 3 milhões em plataforma online

O canal de venda “online” KuantoKusta vai investir três milhões de euros este ano para atingir 500 lojas no seu “marketplace” e disponibilizar dois milhões de artigos de lojas oriundas de toda a União Europeia, anunciou a empresa, esta segunda-feira.

KuantoKusta investe 3 milhões em plataforma online

Em declarações à agência Lusa, o presidente executivo adiantou que o objetivo é ultrapassar este ano as mil encomendas diárias e aumentar a faturação em 40%, dos 2,3 milhões de 2018 para mais de três milhões de euros, assente num crescimento de 20% de visitas face aos 34 milhões do ano passado, correspondentes a 110 milhões de páginas visualizadas.

“O ‘e-commerce’ está a crescer muito e queremos aproveitar essa onda mais para ganhar quota de mercado do que para gerar rentabilidade”, afirmou Paulo Pimenta, salientando que a empresa optou “sempre pelo crescimento orgânico, sem qualquer ronda de investimento”.

No ano passado, o resultado líquido do KuantoKusta rondou os 40/50 mil euros e “o objetivo por agora é o equilíbrio”, disse o responsável, acrescentando: “Quando atingirmos a nossa meta de crescimento, então sim, iremos querer recuperar o fruto do nosso trabalho”.

Em 2018 – ano em que evoluiu de comparador de preços a canal de ‘e-commerce’, reclamando o estatuto de “primeiro ‘marketplace’ [plataforma de venda ‘online’] puro a operar em Portugal” – o KuantoKusta (KK) diz ter gerado 515 milhões de euros em vendas para as cerca de 115 lojas parceiras.

Segundo Paulo Pimenta, “o novo modelo de negócio não só duplicou o número de colaboradores do KK”, para os atuais 43, como também permitiu que a empresa crescesse cerca de 20% face a 2017.

O objetivo é terminar 2019 “com 60 ou mais” trabalhadores, o que implicará uma mudança de instalações, embora mantendo a empresa no concelho de Matosinhos.

Entre os artigos comercializados na plataforma, a categoria mais forte é a da tecnologia, mas estão também à venda produtos nos segmentos da saúde, beleza, puericultura, vestuário e moda, entre outros.

Atualmente o KuantoKusta só trabalha com lojas da União Europeia, em grande parte por questões alfandegárias e burocráticas, mas o presidente executivo diz que “não está descartado abrir novos mercados, como o Brasil”.

A Worten e a Fnac, com os seus “marketplaces” próprios, são os principais concorrentes apontados pelo KuantoKusta no segmento da tecnologia, mas Paulo Pimenta diz que a “grande arma” da empresa é o facto de, por não vender diretamente produtos, não concorrer com os seus próprios clientes.

Recentemente, o KK fechou um acordo com a DHL Parcel para a gestão de mais de 100 mil encomendas/ano, o que lhe permitirá aumentar para 900 os seus pontos de recolha das encomendas, além de “aumentar a segurança e a rapidez de entrega das encomendas ‘online'”, naquele que foi “um primeiro passo” para a expansão da sua rede de lojas ativas no ‘marketplace’.

O KuantoKusta foi fundado em 2005 pelos (três) irmãos Pimenta, emigrantes em França e que vieram para Portugal com o desejo de abrir uma loja de informática.

Ao analisarem os preços praticados no país, depararam-se com a inexistência de um ‘site’ que agregasse preços e permitisse a sua comparação, encontrando aqui uma oportunidade de negócio que os levou a criar o primeiro comparador de preços de Portugal.

Em 2013, o KK desenvolveu uma aplicação dedicada à comparação de preços através de ‘tablet’ e ‘smartphone’, contendo na sua base de dados milhares de produtos que podem ser pesquisados por categoria, marca, referência ou código de barras.

Em 2014, com a mudança do algoritmo da Google, o KuantoKusta reformulou o seu ‘site’, transformando-o em ‘responsive design’ (abordagem ao ‘design’ da ‘web’ que torna as páginas da Internet renderizadas em vários dispositivos e tamanhos de janelas), e em 2016 desenvolveu um comparador de preços totalmente dedicado a supermercados cujo objetivo é integrar num único ‘site’ informações detalhadas sobre os preços práticos nos supermercados em Portugal e partilhar promoções diárias.

Fonte: [JN]

You May Also Like

Programador: as realidades de um dia normal

Facebook: 23 páginas encerradas

Governo avalia riscos do 5G para a cibersegurança nacional

DyNaVoiceR: Dar voz a quem não tem

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies