Web Summit: “Arya Stark”, Evan Williams e outros em Portugal

Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

Cofundador do Twitter e atriz britânica da “Guerra dos Tronos” entre os nomes anunciados para a próxima edição da conferência internacional de inovação e empreendedorismo, que decorre em novembro na capital portuguesa

Web Summit: “Arya Stark”, Evan Williams e outros em Portugal

Foram divulgados os primeiros nomes para a próxima edição da Web Summit em Lisboa, que este ano decorre entre 5 e 8 de novembro, novamente no Parque das Nações.

Para a próxima edição da conferência internacional de inovação e empreendedorismo, a organização anunciou Evan Williams, cofundador da rede social Twitter, assim como Mark Schneider, presidente executivo (CEO) da Nestlé, Daniel Grieder, CEO do grupo norte-americano de moda Tommy Hilfiger, e o homem forte da televisão SKY, Jeremy Darroch.

Também volta a estar um representante da série televisiva “Guerra dos Tronos”, desta feita através da jovem atriz britânica Maisie Williams, que representa a personagem Arya Stark, assim como o robô Sophia que, no ano passado, no Parque das Nações, avisou que os robôs vão ficar com os empregos dos humanos.

Foram, ainda, anunciados dois CEO de gigantes na área dos seguros – Oliver Bate, da seguradora Allianz, e Thomas Buberl, da Axa – e os presidentes executivos das companhias aéreas Etihad Airways, dos Emirados Árabes Unidos, e da Air Asia, da Malásia. Tony Fernandes, de ascendência portuguesa, é o CEO Air Asia.

Segundo a organização, repetem-se as presenças da comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, de Sean Rad, cofundador da plataforma eletrónica de encontros Tinder, de Gillian Tans, CEO da Booking.com, de Jean Bernard Lévy, da elétrica EDF, e Joseph Lubin, cofundador da moeda virtual Ethereum.

Marcam ainda presença, segundo a lista de 50 oradores, responsáveis de alto nível da Samsung Electronics, do instrumento de pagamento online Stripe, da rede social Reddit, da WWF, que promove combates de luta livre, do grupo de reflexão (‘think tank’) de Silicon Valley Singularity University e da Ofo.

Para 2018 são esperados mais de 70 mil visitantes de 170 países, segundo a organização, que tem referido que o valor estimado do evento é de 300 milhões de euros por ano para Lisboa e para a sua economia local.

Citado em comunicado, o CEO da conferência, Paddy Cosgrave, afirmou que a Web Summit “evoluiu para algo mais influenciador do que uma simples conferência tecnológica”.

É um ‘marketplace’ global onde os líderes mundiais e os gestores vêm para fazer negócios”, acrescentou.

Segundo a organização, na segunda edição do evento em Portugal, em 2017, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, duas mil startups, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

A Web Summit inclui 23 conferências em nove palcos.

Organização está a negociar com “muitas cidades”

A organização da Web Summit está “em negociações com muitas cidades” para a edição 2019, disse hoje à agência Lusa o diretor de Comunicação Estratégica.

“Há negociações sobre onde vamos estar no próximo ano e o que eu posso dizer é que essas negociações estão a decorrer. Estamos em negociações com muitas cidades”, afirmou apenas Mike Harvey, numa altura em que está a ser preparada a última das três edições previstas em Portugal, no âmbito do contrato que admite a realização de mais duas.

Para o evento de 2018, a organização espera cerca de 70 mil pessoas, mais 10 mil do que no ano passado e garante que haverá condições para receber toda a gente.

“Sim, conseguimos trabalhar com o espaço que temos: a Altice Arena, a FIL, que são ambos locais fantásticos. Podemos trabalhar, de forma criativa, para garantir que todos cabem e que todos têm uma experiência ótima”, garantiu.

Harvey manifestou-se ainda certo de que mais países vão estar representados, esperando-se que estejam mais de 170 nacionalidades presentes em Lisboa.

Nos objetivos da organização estão um maior número de mulheres dentro e fora dos palcos, bem como de jovens e o aprofundar do trabalho para possibilitar a presença de ‘startups’ portuguesas na conferência.

No total serão 1.200 oradores, lembrou Mike Harvey, garantindo que se seguirão “muitas surpresas” à semelhança do que se tem passado, incluindo o inesperado discurso do físico Stephen Hawking na abertura da edição de 2017.

Nos planos da organização estão “mais dois ou três novos palcos, “mas que ainda são segredo atualmente”, tal como ainda não pode ser desvendado o local da Surf Summit, que tem decorrido na Ericeira.

Fonte: [TVI24]