Web Summit 2017 começou hoje com algumas surpresas

Arrancou esta tarde o Web Summit 2017, um evento que reúne empresas, empreendedores, investidores e muitos profissionais das tecnologias da informação na Altice Arena (antigo Meo Arena) em Lisboa, para 4 dias intensos de palestras e networking.

Os números do Web Summit 2017

Segundo a organização do evento foram vendidos 59 000 bilhetes, no entanto irão estar presentes no recinto do evento cerca de 81 000 pessoas, incluindo neste número os jornalistas, voluntários, segurança, etc.

Paddy Cosgrave, co-fundador e presidente da Web Summit, subiu ao palco para iniciar o evento que volta este ano a reunir à beira Tejo uma enchente de entusiastas da tecnologia. Começou por elogiar Lisboa e pedir aplausos para Portugal, apresentou a família ao resto do pavilhão, e pediu a cada pessoa da audiência para se levantar e se apresentar aos participantes à sua volta. Cosgrave incentivou todos os participantes a fazerem contacto entre si utilizando a aplicação do evento.

O apresentador evidenciou o crescimento do evento olhando para a primeira edição em 2010 que teve apenas 4 investidores e uma audiência de 400 pessoas.

Representante da Feedzai sobiu ao palco

Nuno Sebastião da Feedzai subiu ao palco principal para falar um pouco do seu percurso e também do uso da inteligência artificial no combate de crimes financeiros.

A da inteligência artificial acarreta responsabilidades e também riscos, pois uma tecnologia com tanto poder pode tornar-se um pesadelo caso seja utilizada para fins pouco claros. É bastante complicado criar um código de ética para o uso da inteligência artificial. Perante esta situação cabe às empresas, clientes e engenheiros analisar a solução a criar e canalizar ou nao tempo de investigação nessa direcção.

A surpresa da noite: Stephen Hawking

Também Stephen Hawking surgiu nos ecrãs do evento para falar do futuro e os riscos da inteligência artificial. “Sou um optimista”, afirmou Hawking, “A inteligência artificial pode funcionar em harmonia connosco. Mas temos de estar a par dos riscos.”

O físico tem sido uma das vozes a avisar para os potenciais riscos da inteligência artificial, voltando a sublinhar a importância de reflectir sobre o desenvolvimento desta tecnologia. “Talvez devamos todos parar por um momento, e não apenas fazer com que a inteligência artificial seja bem-sucedida, mas pensar em como a sociedade vai ser beneficiada”. Hawking alertou para a necessidade de incorporar questões éticas no desenvolvimento da tecnologia, um assunto que tem vindo a ser progressivamente alvo atenção.

“Acredito que não há diferença entre o que pode ser alcançado por um ser biológico e o que pode ser alcançado por um computador”, afirmou o cientista, que observou que a tecnologia poderá ser capaz de erradicar problemas como as doenças e a pobreza. Mas ressalvou que os humanos não sabem se, no futuro, vão ser ajudados por um inteligência artificial sofisticada, simplesmente ignorados ou “destruídos por ela”.

Assista ao inicio do Web Summit 2017