Facebook: Mito do microfone

Este conteúdo está bloqueado. Aceite os cookies para o visualizar.

É um tema sem dúvida interessante. Depois da polémica da “Cambridge Analytica”, o mundo ficou preocupado. Já várias vezes se falaram de certas situações ao micro, por chamada, e de seguida aparece algo relacionado com o tema da conversa. Mas afinal, está alguém do outro lado a ouvir o que falamos?

Facebook: Mito do microfone

A polémica da “Cambridge Analytica” deixou meio mundo preocupado com aquilo que o Facebook sabe sobre as suas vidas. Como acontece em qualquer momento de tensão, criou-se o ambiente perfeito para o nascimento e crescimento de mitos. Um deles é o “mito do microfone” e parte da ideia de que o Facebook escuta todas as conversas a partir dos nossos telemóveis.

Porém, apesar das revelações feitas sobre o acesso das redes sociais aos nossos dados, trata-se de uma suposição difícil de provar.

Em primeiro lugar, porque o Facebook já tem acesso a tudo o que precisa de saber sobre cada um dos utilizadores. Os locais que visita, as páginas de que gosta e até as férias que está a planear para o próximo verão. Todos estes dados, que o utilizador concordou em partilhar com a rede social, ajudam o Facebook a angariar avultadas quantidades de receitas através de publicidade.

Depois, há a componente técnica. São mais de dois mil milhões de utilizadores em todo o mundo. Para gravar e depois analisar as conversas dos utilizadores seria necessário um conjunto de componentes tecnológicas que ainda não estão disponíveis. Além disso, maior parte das conversas que temos são em grupo. Só com o microfone, fica complicado distinguir quem disse o quê.

E há uma explicação simples para sermos surpreendidos quando aparece um determinado anúncio sobre algo de que falamos há pouco. É que quase nunca ninguém presta atenção à publicidade na Internet e é normal que um determinado tema familiar nos desperte mais curiosidade.

Mas, se está mesmo preocupado com os espiões digitais, há dois passos que o podem ajudar. Mude de browser com regularidade para dificultar o acesso das redes sociais aos seus movimentos na rede. O “Privacy Badger”, por exemplo, é uma extensão que ajuda a saber que sites estão a ver o que faz. Instalando-a, pode desligar as que não quer que saibam o que anda a fazer.

Fonte: [JN]